Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

AI-Powered Employability: Unveiling the 5 Key Competencies

Empregabilidade baseada em IA

É muito comum ouvir a expressão “bom fit” para descrever um jovem que um empregador pretende trazer para a sua equipa: “não precisa de experiência, mas é importante ter um bom fit”; “aqui podemos ensinar a parte técnica, mas o jovem precisa ter uma boa adaptação”.

A smiling woman in a denim jacket holds papers outlining main competencies and sits at a desk with a laptop and coffee cups in an office with warm lighting and employability skills.

Mas o que exatamente é esse “bom ajuste”? Especialmente quando se trata de jovens, isto traduz-se num conjunto de competências comportamentais e socioemocionais que contribuem significativamente para a sua empregabilidade e sucesso no mundo do trabalho. Aqui estão os 5 principais:

  1. Comunicação: Falar adequadamente sobre o próprio ponto de vista, descrever processos e fluxos de trabalho de forma eficiente, ouvir ativamente os outros e saber usar a comunicação não violenta em momentos de crise e desacordo.
  2. Habilidades Interpessoais: Competência focada em estabelecer relacionamentos saudáveis no ambiente de trabalho, aprendendo a se colocar no lugar do outro, mantendo o comportamento profissional principalmente em situações de desentendimentos e pressões.
  3. Organização: Gestão de tempo, gerenciamento de tarefas, negociação de prazos, priorização de demandas e organização de cronogramas e compromissos.
  4. Proatividade: Envolve iniciativa e vontade de resolver problemas, exige iniciativa e desenvoltura, além de senso de capacitação profissional e visão de que a velha ideia de “esta não é a minha área” não funciona mais.
  5. Autoconfiança: Acreditar na capacidade de gerar valor e contribuições à empresa e aos colegas, reconhecendo seus talentos e potencialidades, exige também disposição para aprender continuamente para se desenvolver permanentemente e, assim, crescer em competências e habilidades.

Investir em treinamentos focados em Soft Skills ajuda muito na empregabilidade dos jovens em início de carreira, bem como na sua jornada de desenvolvimento profissional. O ensino médio deveria incorporar esse trabalho em seu currículo? Deverá o ensino superior apostar na formação complementar centrada nas Soft Skills e nas suas aplicações para o mundo do trabalho? Há muito o que refletir…


Lúcia Rodrigues Alves é educadora, formadora de professores, criadora de conteúdo e desenvolvedora de projetos educacionais. Ela atua como Diretora de Novos Negócios e Parcerias da Fundação Wadhwani no Brasil.

Mais artigos

We use necessary cookies and/or similar technologies to make this website work and to collect information when you interact with this website to improve your experience. By using This website, you acknowledge and consent to our cookie policy and privacy policy